terça-feira, janeiro 31, 2012

Era para ser qualquer coisa e pode ser qualquer coisa. Podia parecer vertigem ou dia de sol no meio da chuva, no meio do tempo, no meio da carro. Era para ser inteiro mas ficou parecendo metade por alguma falta de calor e ficou parecendo uma dívida eterna, dessas boas de pagar em pequenas prestações para não se desvencilhar de nada.

Mas aí é outra coisa, como sempre inominável - e fica tudo sendo coisa e parecendo igual quando é completamente diferente e tem só no não nome uma semelhança. Tá tudo bem quando a gente não precisa mesmo de palavras para chamar, pois olhares, suspiros e melodias simples dão conta do recado. Poderia ser um bilhetinho (azul ou de todas as cores que existem) ou uma mensagem gravada em uma secretária eletrônica que já não existe. Não há problema se já somos de outro tempo, se o tempo é nossa ocupação.

3 comentários:

  1. Oiii, querida amei o seu blog e eu não poderia deixar de segui-lo , bjos
    Visita o meu blog e se poder seguir, ficarei grata, bjos

    http://toquaseprontaprasair.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Adoreeei!!

    http://toquaseprontaprasair.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Sintaxe à vontade: