terça-feira, abril 26, 2011

Diário de um prisioneiro

Às oito eles desligam o ar condicionado. Às luzes ficam acesas até no máximo 21h15. Já é difícil respirar o mesmo ar daqueles que vemos, perceber que eles têm a mesma cara de desespero do nosso rosto. A angústia de não ter um espelho revira-se de um jeito estranho, dá vontade de não ter nenhum tipo de reflexo, melhor o vazio do que o reconhecimento justo na parte que não queremos admitir de nós mesmos. Ser plural já é bem ruim.

Quando a luz se apaga a angústia maior é a de respirar o mesmo ar daqueles que não vemos. Imaginamos apenas os olhares desesperados uns dos outros. Procuramos o branco dos olhos, a referência de desenho animado sem encontrar nada além das respirações entrecortadas, ofegantes, passando entre si goles de ar feito brincadeira de telefone sem fio.

5 comentários:

  1. Muito interessante. O retrato de total desespero estampado não no rosto do personagem, mas nos rostos que ele vê. E isso não acontece com os "livres"? Vemos nosso desespero, alegria, tristeza nos rostos que vemos.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo joia?
    tava lendo seus posts..gostei!
    depois da uma passadinha no meu blog...


    Bjus!

    ResponderExcluir

Sintaxe à vontade: