sábado, outubro 15, 2005

Devaneios d'outro espaço-tempo

Não mostrei a poesia que fiz. Devia mesmo ter morrido. Mas como falta coragem! Tenho fome de muitas coisas. Não sei até que ponto conheço as verdades. Devia ter mandado emails de dia do mestre.Tenho medo do fim, tenho medo de outras vidas. Fernando Sabino o quê? Eu não sei nada, vou tentar aprender porquês. Tenho medo desse não medo que me dá sua presença. "Perdi-me muitas vezes pelo mar." Perdi as águas doces de cloro. Perdi. Cadê? 'Tou me ´procurando, mas confesso que tenho um medo enorme de achar.

Desapego. Desassossego. Não se pode soltar a fumaça e gritar simplesmente, nem escrever um poema no banco de trás. Mas na parede pode. Se resistir... Se durar... Eu prometo. E daí? Daqui a um tempo eu prometo um espaço-tempo só nosso. Agora eu não tenho. Me acostumei a outras trilhas. Assim, solta no iluminado mundo real, penso se não seria melhor estar trancada num quarto escuro. Acompanhada apenas de uma espera esperançosa. Seria? Tem mundo fora do quarto escuro? "Têm varal?" Nãããããão! Eu não sei mentir. Vou parar com as cervejas. Eu e meu costume de ficar devendo. Bebendo... Bebê? Florzinha? Biiiiiiiii! Denise? Eu?! Eu... Sempre caio nessa de falar de mim. Melhor quebrar a cara do que quebrar um nariz e não parar de sangrar... Nunca tampem meu olho. Nem ponham tampão no nariz sangrento. Não mudou muita coisa. Ei, pare de falar. Não quero mais ver filme. Já me chega um filme bom por dia. Isso sem falar na vida. Não sei se é esse o propósito , mas ela me tem sido um ótimo entretenimento.

Bocas de cimento à luz do amanhecer. Tenho fopme mesmo depois do filme. Vou parar de ser do jeito que as pessoas querem que eu seja. Não quero nunca ser uma boboca apaixonada. Fechei para balanço. Se me procurarem, vão ver que eu estou lá, em qualquer parquinho. Beija o beijo do tchau-adeus quase despercebido. Não quis dizer o quanto eu estava nervosa. As mãos tremem... Não soube ficar perto. Vou parar de não saber. Sei de coisas tão bonitas! Mas é segredo. Tenho lá o meu lá também. Me dê meia dúzia de motivos para não desaprender a viver:
- O mundo é tão pop.
- A vida é tão vazia/clichê
- Tenho a história mais linda.
- E eu ganho porque é verdade.
- Respeito seus limites. Não quero.

E foi cada um prum lado, já meio sem saco de voltar atrás. As estórias são assim...

(ontem)

3 comentários:

  1. Sou a primeira.......talvez isso seja bom.....mas provavelmente ñ importa.....bem...isso é o q há.....bjk...adíos.....

    ResponderExcluir
  2. liza!!!!!!!!!
    extremamente perfeito !!!!
    só confirmando q vc eh uma ótima escritora....
    bjks da prima.

    ResponderExcluir
  3. Ih, essa Anny é mó espiã! Olho vivo e faro fino...
    -------
    Estou disposta a entender, okay? I love you pra chuchu merci beaucoup.
    E tinham surgido outros comentários na minha cabeça enquanto eu lia, mas o telefone tocou e eu me esqueci.
    Mas o importante eu lembrei.

    ResponderExcluir

Sintaxe à vontade: